Quem nunca jogou a sujeira debaixo do tapete que atire a primeira pedra. E aqui pouco importa se “a grama do vizinho parece sempre mais verde” ou se “o preguiçoso trabalha dobrado”, o fato é que todos nós escondemos debaixo de nosso tapete aquilo que deve ficar invisível ao olhar do outro.

Mas o tempo passa, a vida se torna cheia de vícios e problemas e não somos capazes de dizer qual é a origem de tantas doenças, dores, dúvidas e sofrimentos.

Será que a sujeira se acumulou?

Um tapete apenas não é suficiente?

Os motivos para tamanha sujeira podem beirar o infinito. Falta tempo... Sempre foi assim... A vida é muito corrida... É melhor não mexer com o que está quieto!

Será que está quieto mesmo?


Quando estamos em sofrimento, tudo parece fora de lugar e não sabemos por onde começar, um profissional da Psicologia pode nos ajudar a lidar com esses conflitos. E o processo terapêutico é como uma faxina.

Duvida? Veja só comigo!

Quando decidimos começar uma faxina, a primeira atitude é tirar os objetos de seus lugares. Quem chega desavisado se depara com uma grande desorganização. Mas você sabe o que está fazendo, que isso é algo momentâneo e necessário e segue com a limpeza.

Cada móvel e cada ambiente exige um produto diferente para deixar tudo perfeito. Não se limpa de qualquer jeito! E isso leva tempo para pensar, escolher as ferramentas certas e fazer tudo como pedem as instruções.

E o tapete? Ahh, o tapete! Além de limpar a sujeira acumulada embaixo dele, é importante lavá-lo bem e estender em um local arejado, com bastante sol, do contrário o cheiro pode não ficar bom! Enquanto estiver úmido, ainda não é a hora certa. Leve quantas horas e dias forem necessários para ele secar e ficar novinho em folha novamente.


Enfim, com ambiente e objetos bem higienizados, chegou a hora de colocar cada coisa em seu lugar. Tudo será como antes? Ou prefere mudar algo de lugar? Pare, pense, faça suas escolhas e pronto! Mesmo que algumas coisas estejam diferentes agora, elas estão onde deveriam estar. E assim, a faxina chega ao fim!

O processo terapêutico, o tão conhecido “fazer terapia”, segue também estes passos. Para se sentir bem consigo, o paciente precisa tirar algumas coisas do lugar, pensar, repensar, fazer a limpeza, organizar e reorganizar.


Esse processo funciona como um ciclo, pois basta que os cuidados sejam interrompidos para que a sujeira se acumule novamente. E o(a) psicólogo(a) caminha ao lado, fornecendo as ferramentas para que tudo se torne possível.

Assim, da próxima vez que sua casa pedir uma faxina, lembre-se: sua morada interior também precisa de cuidados.