Século vinte e um, ano de 2019, e você ainda não sabe o que faz um psicólogo??

Tudo bem, não há problema nisso!

Somos uma ciência relativamente nova em comparação a todas as outras (temos apenas 56 anos no Brasil), e por isso muitas pessoas, assim como você, tem algumas dúvidas sobre nossa atuação.



Gosto de responder esta pergunta de uma forma simples: o psicólogo é o profissional da saúde mental.

Assim como vários profissionais cuidam do corpo, como nutricionistas, fisioterapeutas e as variadas especialidades médicas, nós focamos nosso cuidado ao cérebro e a saúde mental como um todo.

Como seres humanos, somos a soma de corpo, mente e alma, e um ato (positivo ou negativo) em uma dessas áreas acaba refletindo diretamente nas demais, pois estão diretamente ligados.

Quer um exemplo?

Encontre o dedinho do pé com a quina da mesa.


A primeira reação é de dor (biológica), e logo com ela, quem vem? Raiva. Intensa! A isso damos o nome de EMOÇÃO.

Algumas horas depois seu dedo vai ficar dolorido, levarão alguns dias até se sentir 100%, mas em relação a sua saúde mental pouco ou nada irá acontecer.

Porém, quando algo acontece na vida e além de você mais pessoas se machucam, é normal que isso dure um pouco mais na mente. A isso damos o nome de SENTIMENTO.

Foi há menos de cento e cinquenta anos atrás que surgiram as primeiras pessoas interessadas em estudar como as EMOÇÕES e SENTIMENTOS interferem na vida das pessoas, e como tratá-los poderia trazer qualidade de vida para as pessoas.

Os instrumentos escolhidos para isso foram diversos: hipnose, regressão, aplicação de testes, elaboração de teorias... Até chegarmos aos dias de hoje, em que somos uma ciência consolidada e trazemos estes e outros instrumentos a nossa disposição para cuidar da mente de tanta gente.


Pessoas com dificuldade para emagrecer, passar em um concurso, ter relacionamentos saudáveis ou despedir-se de um ente querido tem diversas diferenças entre si, mas certamente todas têm algo em comum: a mente delas tem algo a lhes dizer.

Assim funciona nosso trabalho. O conhecimento parte daquilo que é comum a todos em direção ao que é particular do cliente (ou paciente, como preferir). E entendendo melhor nossas emoções e sentimentos, como em um quarto há muito tempo fechado, as janelas começam a se abrir e o horizonte torna-se menos escuro e duvidoso.

Interessante, não é?

Adoramos "emojis" porque eles representam nossos mais diversos estados de humor.


Eu achei incrível quando entrei em contato com isso pela primeira vez, me apaixonei e não me desliguei mais dessas ideias. Hoje, como profissional, vejo este enredo diante dos meus olhos a cada paciente novo que traz consigo suas idéias, suas histórias, e juntos caminhamos pra buscar entender melhor o que está acontecendo.

Tenho outra novidade, segura essa: não estamos somente dentro do consultório.

Uhum, é serio!

É claro, a prática clínica, que acontece entre as quatro paredes do consultório, existe e é a forma mais conhecida de nosso trabalho. Mas estamos em todo lugar em que existe gente. Estamos em todo lugar em que existem sentimentos e emoções.

Estamos nos hospitais, no trânsito, nos fóruns, nos bancos, nas pequenas e grandes empresas, nas escolas, nos esportes em geral (inclusive os eletrônicos), nos auditórios...

Enfim, estamos aí! Somando, compartilhando conhecimento, sentindo, emocionando! Quando me perguntam se esta é a profissão do futuro, digo que é também a profissão do passado e do presente.

O que mudou e mudará durante esse tempo é o acesso ao que fazemos. E a partir de agora, parabéns, você passou para o nosso lado da força!


Quando algo dentro de você se tornar difícil de compreender e parecer impossível encontrar respostas sozinho(a), siga os passos: pára, respira e conta com a psicologia!