Você já ouviu a palavra codependência antes? Sabe qual é o seu significado? Como saber se você é codependente de alguém? Buscarei responder estas questões neste artigo.


Para entender esta palavra, podemos começar consultando o dicionário. Lá, observamos que o prefixo "co-" tem significado de companhia e simultaneidade.

Portanto, quando falamos de codependência, falamos de uma pessoa que é dependente junto de outra pessoa, que depende junto.

Ainda um pouco confuso? Calma, vamos chegar lá! É importante saber este primeiro conceito e entender também a origem dele para que possamos caminhar em nossa compreensão.


A codependência surgiu primeiramente relacionada aos familiares de dependentes químicos. Aquelas famílias que viviam a angústia de ver alguém próximo fazendo uso abusivo de substâncias começaram a se reunir e observar que compartilhavam de muitas características parecidas.

Daqui então o "depender junto". Enquanto aquele indivíduo era dependente de álcool e/ou drogas, seu familiar era dependente de cuidar dele a todo custo e viver em função disso, como duas faces de uma mesma moeda.

Neste primeiro momento, em torno da década de 70, para se encontrar um codependente era preciso antes buscar por um dependente de substâncias.


Com o passar do tempo, esta compreensão evoluiu. Percebeu-se que também haviam codependentes em contextos sem a presença de drogas, como por exemplo o trabalho e relacionamentos em geral.

Chegamos então a definição mais atual da palavra. Codependência consiste em depender da dependência do outro em relação a si mesmo. O indivíduo sofre nos aspectos emocional, psicológico e comportamental, na forma em que suas ações são dirigidas ao outro. "Sem o outro, não sei quem sou."

O codependente costuma tomar atitudes, conscientes ou não, que colocam o bem-estar do outro em primeiro lugar de sua vida. Sua necessidade de ser cuidado, aceito, amado e importante é expressa na tentativa de cuidar do outro. Porém, o outro pode não dar a resposta que o codependente espera...

Mesmo quando todo esse esforço causa dor e sofrimento, o codependente acaba por repetir estas atitudes por sentir culpa e medo de ser abandonado pelo outro. Quando o ciclo se repete, acaba gerando mais preocupação e frustração.


O desequilíbrio emocional causado por relacionamentos que seguem esse padrão são o principal sintoma de uma pessoa codependente. E caminhos para buscar novamente este equilíbrio são necessários.

Um caminho surge a partir da irmandade Codependentes Anônimos (CoDa), grupo semelhante aos Alcoólicos Anônimos (AA) e Narcóticos Anônimos (NA) em que pessoas que se identificam com características em comum se reúnem para unir forças e descobrir estratégias de enfrentamento.

Outro caminho pode ser a ajuda profissional de um(a) psicólogo(a), como eu. Por estudarmos o comportamento e a mente humana, estamos capacitados para ajudar o codependente a resgatar sua própria identidade e viver suas emoções de forma mais saudável.

Vale dizer que estes são não caminhos excludentes. Muito pelo contrário, podem ser complementares!


Estar sozinho pode parecer assustador para quem depende do olhar do outro. Mas, aprendendo mais sobre si e o que tem buscado, é possível (re)agir melhor diante da dependência.

É nisso que acredito e tenho buscado somar forças. Você vem comigo?